Opinião: Os Anos Perdidos de Mary Higgins Clark

 

Livro: Os Anos Perdidos (Alvirah and Willy #9)

Autora: Mary Higgins Clark

Páginas: 364

Sinopse: Jonathan Lyons é um estudioso da Bíblia e julga ter encontrado uma relíquia inimaginável: uma carta em papiro que pode ter sido escrita pelo próprio Jesus Cristo. Roubada da Biblioteca do Vaticano no século XVI, pensava-se que estava perdida para sempre.
Agora, sempre com um pedido de sigilo, consegue confirmar a sua descoberta junto de vários especialistas. Mas confidencia também a um amigo de família a suspeita de que uma pessoa que em tempos foi da sua confiança queira agora vender o artefacto para fazer muito dinheiro.

Passados poucos dias, Jonathan é encontrado morto no seu estúdio. Na mesma altura, a sua mulher, Kathleen, que sofre de Alzheimer, também é encontrada, escondida no guarda-roupa, a balbuciar palavras sem sentido e segurando a arma do crime. Apesar da demência, Kathleen sabia que o marido tinha há muito tempo um caso com outra mulher. 
Terá ela matado o marido num acesso de ciúmes, como alega a polícia? Ou estará a morte dele relacionada com uma pergunta mais ampla: Quem tem em, sua posse o pergaminho de valor incalculável que agora desapareceu?
Caberá à filha de ambos, Mariah, ilibar a mãe das acusações de homicídio e desvendar o verdadeiro mistério que se esconde por detrás da morte do pai.

Opinião:

Sou uma grande fã de Mary Higgins Clark e só após alguma pesquisa percebi que este livro é o nono volume de uma série com o casal – divertido e afetuoso – Alvirah e Willy. Contudo, mesmo para quem não leu nenhum dos outros livros (como é o meu caso), a história é facilmente perceptível, pois os protagonistas são personagens novas, tendo Alvirah e Willy um papel de ajuda e apoio na investigação que se apresenta.

A escrita de Mary Higgins Clark é sempre muito clara, fluída e com um “toque de classe” que não sei explicar. Sinto algumas semelhanças na estrutura da narrativa, com a escritora Agatha Christie, que também adoro! Este livro em particular apresenta-nos um drama familiar, com mistério e um pouco de história à mistura. De uma forma muito subtil a escritora consegue fornecer alguns pormenores históricos, o que contribui para a riqueza da trama.

Um excelente livro para os apreciadores de um bom mistério e simultaneamente de uma horas aprazíveis de leitura, com personagens bem construídas e uma história muito bem escrita. Gostei muito!

Classificação: 4*

Também li desta escritora:

   

Lar doce lar

Deixa-me chamar-te meu amor

Onde estão as crianças?

Recordação Perigosa

Anúncios

Opinião: O Que Há Para Além da Vida de Theresa Caputo

 

Livro: O Que Há Para Além da Vida

Autora: Theresa Caputo, Kristina Grish

Páginas: 240

Sinopse: Os nossos entes queridos que já partiram amam-nos, orientam-nos e protegem-nos. Esta é a mensagem reconfortante que a médium Theresa Caputo lhe quer transmitir. Theresa Caputo, mundialmente conhecida como a médium de Long Island, abre-nos a porta do seu mundo para partilhar connosco o seu dom especial para comunicar com aqueles que já desapareceram. 

Neste livro, Theresa conta-nos como desde os quatro anos de idade sente e ouve o Espírito, apesar de só o ter aceitado já com trinta e três. Desde então, tem usado a sua capacidade extraordinária para ajudar milhares de pessoas a recuperar da perda daqueles que amam, revelando, em tom descontraído e bem-humorado, que no Céu não há mesquinhez, ressentimento nem fúria, só amor. Theresa Caputo prova isso mesmo relatando histórias como a da rapariga, assassinada pelo ex-namorado da melhor amiga, cuja alma aparece aos pais e aos irmãos lado a lado com a do seu assassino, mostrando como o perdão é essencial para pôr fim à mágoa. Este livro relata-nos histórias reais e comoventes de pessoas que procuraram a médium para conversar com os seus familiares ou amigos já falecidos, mostrando-nos como as palavras vindas do Céu as ajudaram a superar a dor e as saudades. «Escrevi este livro para partilhar o que sei ser verdadeiro: que a vida é mais do que aquilo que existe no mundo físico.»

Opinião: 

Theresa Caputo é uma das médiuns mais reconhecidas da atualidade, tendo uma série de televisão no TLC, Long Island Medium, em que acompanhamos não só o dia-a-dia desta norte-americana que fala com os mortos, como temos os relatos de pessoas e famílias que se cruzam com esta médium e recebem mensagens inusitadas e completamente inesperadas dos seus entes queridos que já partiram. Raramente conseguimos conter a emoção ao longo dos episódios – comigo é “tiro e queda”, não consigo conter a enxurrada de lágrimas com as histórias relatadas.

Este é um excelente livro para quem tem entes queridos junto de Deus, cheio de mensagens de amor, esperança e luz. Um livro que não exalta nenhuma religião em especial, mas sim o mundo espiritual e maravilhoso que nos rodeia e que muitos de nós não se dá conta.

Com uma escrita muito divertida e cheia de humor, a autora conseguiu abordar temas delicados e profundos de uma forma simples e acessível a qualquer leitor. Até mesmo aos mais cépticos. Gosto muito de ler sobre espiritualidade e este livro é uma óptima sugestão para quem também aprecia este tipo/género de livro. Gostei muito!

Classificação: 4*

Cantinho de Leitura – Novembro 2017

Feliz mês de Novembro 🙂

Sejam felizes meus amigos. 🙂 Façam aquilo que vos faz mais feliz, mesmo que o vento desta estação vos leve para lugares distantes. Sorriam mais. Abracem mais. Cantem mais. Dancem mais. Aproveitem os pingos da chuva para dançar ao som de “Singing in the rain” de Gene Kelly ou o som da trovoada para ouvir “Its beginning to look a lot like christmas”, em expectativa da quadra maravilhosa que se apresenta.

Juntem a chuva, com um bom livro, uma mantinha no sofá, um chá quentinho e desfrutem deste mês maravilhoso. 🙂 Beijos grandes a todos e, claro … Boas Leituras!

Opinião: Confissões de uma Suspeita de Assassínio de James Patterson e Maxine Paetro

 

Livro: Confissões de uma Suspeita de Assassínio (Confessions #1)

Autores: James Patterson e Maxine Paetro

Páginas: 288

Sinopse: Malcolm e Maud Angel eram pais altamente exigentes. Quando são assassinados, a filha mais velha, de dezasseis anos, Tandy, torna-se a principal suspeita do crime. Nesse mesmo dia, ela decide descobrir quem é o verdadeiro assassino, ainda que seja ela própria ou um dos irmãos. Tandy é uma rapariga-prodígio, incrivelmente inteligente e com Conhecimentos fora do vulgar. E agora também é herdeira de uma grande fortuna… Ela guarda muitos segredos, que regressam para a atormentar. Sente-se perdida, vítima da educação recebida dos pais. Mas não seria capaz de os matar… ou seria?
Um thriller emocionante e de leitura compulsiva, onde todos os segredos de Tandy, até os mais obscuros, são revelados. Quem sabe aquilo de que ela é, realmente, capaz?

Opinião:

O que fazemos quando o narrador da história não é muito fiável? Quando a história se desenrola e criamos uma ligação com os protagonistas que supostamente, são também, (hipoteticamente) os vilões da história? É, sem dúvida, uma base para uma leitura interessante.

O livro está dividido de uma forma diferente: temos os capítulos normais que são narrados por Tandy, uma adolescente de dezasseis anos, e capítulos intitulados de “Confissões” onde temos uma pouco mais de informação por parte desta adolescente que, aparentemente, tem surtos de memória (ou é o que inicialmente pressupomos) e que nestas confissões se vai lembrando de informação da sua infância e de momentos que parece ter esquecido.

Os pais de Tandy são encontrados mortos nos seus quartos, numa casa onde só vivem eles, três dos seus cinco filhos e uma assessora da mãe de família. Aparentemente todos têm razões para terem cometido o assassínio, mas todos eles negam categoricamente e, alguns têm álibis muito convincentes. É um registo diferente de James Patterson, mas com a sua escrita metódica e cativante. É um mistério agradável de se ler e uma leitura leve (apesar do tema), com alguns momentos de humor pelo meio. Gostei!

Classificação: 3*

Também li de James Patterson:

Alex Cross //Alex Cross: Perigo Duplo // Alex Cross: A Caça

 Eu, Alex Cross // Private // Private:Principal Suspeito

NYPD Red // NYPD Red: À Margem da Lei // A Amante

 

Opinião: Luz Efémera de Barbara & Stephanie Keating

 

Livro: Luz Efémera (Livro 3, Trilogia Langani)

Autoras: Barbara & Stephanie Keating

Páginas: 745

Sinopse: O último e arrebatador volume da trilogia Langani Em crianças, Hannah, Sarah e Camilla tornaram-se irmãs de sangue. Com o passar dos anos, conseguirá esta aliança manter-se inquebrável? Hannah e o marido são donos da fazenda Langani e do Safari Lodge. Juntos, lutam para preservar a vida selvagem e as suas terras, ameaçadas por caçadores furtivos e funcionários governamentais corruptos. Contudo, vai ser a relação entre a filha de ambos e um rapaz africano a constituir o verdadeiro teste à união familiar. Por seu lado, Sarah é uma reputada fotógrafa e investigadora da vida animal. A morte do seu amor de infância marcou com violência a sua entrada na idade adulta; tantos anos depois, procura ainda recuperar a inocência perdida. Camilla conseguiu vingar no exigente mundo da moda e parece estar prestes a viver plenamente o seu grande amor ao lado do carismático guia de safáris Anthony Chapman. Mas uma triste reviravolta ensombra a vida de ambos e ameaça agora estilhaçar os sonhos que em tempos partilharam. Passado nas regiões selvagens e imprevisíveis do Quénia, Luz Efémera é uma história de coragem, amizade, traição e sacrifício redentor.

Opinião:

Existem livros que criam laços imaginários, de cores profundas e marcantes, que nos abraçam e não nos largam até que a magia deste abraço se dissolva pelo virar das últimas páginas. Existem histórias que nos emocionam. Existem histórias que me sinto privilegiada de ter lido. A Trilogia Langani é uma dessas histórias.

Este é o terceiro e último livro da Trilogia Langani das escritoras Barbara e Stephanie Keating, onde continuamos a acompanhar as vidas das três amigas de infância: Hannah, Sarah e Camilla, nos cenários encantadores do Quénia. Neste livro temos romance, intriga, paixão, cenários imprevisíveis e a natureza selvagem de África que nos transportam para uma história memorável e de muita qualidade.

Adorei este livro e acima de tudo esta trilogia no seu todo. Nas últimas páginas não consegui conter a emoção de relembrar cenários e situações no primeiro livro e das aventuras e peripécias do segundo e do desfecho emocionante deste último volume. Uma saga a não perder e que recomendo vivamente!

Classificação: 6*

Também li destas escritoras:

Irmãs de Sangue – Volume I da Trilogia Langani

Um Fogo Eterno – Volume II da Trilogia Langani

Opinião: Misery de Stephen King

 

Livro: Misery

Autor: Stephen King

Páginas: 480

Sinopse: Paul Sheldon é um famoso escritor de romances cor-de-rosa, tornado célebre pela personagem principal das suas obras, Misery Chastain. Porém, Sheldon entendeu que estava na hora de virar a página e decidiu «matar» Misery. É então que sofre um terrível acidente de viação e é socorrido por Annie Wilkes, uma ex-enfermeira que o leva para sua casa para o tratar. O que Paul não sabe é que Annie, a sua salvadora, é também a sua maior fã, a mais fanática e obcecada de todas — e está furiosa com a morte de Misery. Ferido e incapaz de andar, totalmente à mercê de Annie, Paul é obrigado a escrever um novo livro para «ressuscitar» Misery, como uma Xerazade dos tempos modernos nas mãos de uma psicopata tresloucada que há muito deixou de distinguir a realidade da ficção. Repleto de complexos jogos psicológicos entre refém e captor, “Misery” é uma obra de suspense e terror no seu estado mais puro.

Opinião:

Os livros de Stephen King são sempre muito bem-vindos à minha mesa de cabeceira. A sua escrita excêntrica, metódica e algo irrisória são a promessa de uma leitura bastante aprazível e difícil de largar. Este livro em específico apresenta-nos a história de uma fã obsessiva (com características psicóticas e alucinantes) pelo seu escritor preferido. Aparentemente parece um drama de suspense e intriga normal, contudo, esta personagem obsessivo-compulsiva – Annie – excede qualquer perfil de vilã que lhe possamos atribuir.

Paul, o escritor subjugado e à mercê desta lunática, passa por situações horríveis e difíceis de ler – do meu ponto de vista. Muito sangue, terror psicológico e machados afiados causaram-me alguns pesadelos (inesperados). Em algumas situações tive de pousar o livro, pois a narrativa de Stephen King transporta-nos, de tal maneira e veracidade para a história que nos esquecemos que somos meramente leitores e sofremos as amarguras do protagonista.

Mais uma obra de Stephen King que me faz questionar a sua imaginação e a sua fonte de inspiração, pois as suas histórias são sempre algo mais que uma história de terror, ou algo mais que um suspense normal. São excêntricos. Diferentes. Fora do normal e únicos na sua essência.

Classificação: 3*

Outros livros que li deste escritor:

O Retrato de Rose Madder 

 

Metade Sombria e A Hora do Vampiro