Opinião: Pão, mel e amor de Jenny Colgan

 

Livro: Pão, mel e amor

Autora: Jenny Colgan

Páginas: 398

Sinopse: Polly Waterford está a recuperar de um relacionamento tóxico. Incapaz de pagar a prestação do apartamento, tem de se mudar para longe de toda a gente que conhece, e vai parar a uma pequena estância balnear sonolenta, onde vive sozinha por cima de uma padaria abandonada.
Polly começa então a sublimar as frustrações no seu passatempo favorito: fazer pão. O que antes era uma ocupação de fim de semana torna-se de repente muito mais importante, à medida que ela extravasa as suas emoções no amassar e no bater da massa, e o pão se vai tornando cada vez melhor. Com nozes e sementes, azeitonas e chouriço, com mel da região (cortesia do belo apicultor, Huckle), e com reservas de determinação e criatividade que Polly nunca julgou ter, ela coze e coze e coze… E as pessoas começam a ouvir falar disso.

Opinião:

Este romance delicioso, Pão, mel e amor, é da autoria da escocesa Jenny Colgan e é uma excelente sugestão para uma leitura de verão! A narrativa apresenta-se muito fluída e cheia de emoções surpreendentes. A história tem momentos muito divertidos e cheios de humor, mas simultaneamente apresenta-nos drama e uma mensagem intrínseca sobre o verdadeiro sentido da vida.

A protagonista Polly é a narradora determinada neste romance, uma mulher que descobre, numa fase difícil da sua vida, aquilo que a faz verdadeiramente feliz (e cujo animal de estimação é um papagaio-do-mar!). Recheado de personagens encantadoras a pequena aldeia inglesa, Mount Polbearne, entranha-se no nosso coração sem nos apercebermos.

As páginas voaram sem me aperceber e (quase) senti o cheiro de pão acabado de fazer, dos bagels e da focaccia confeccionados por Polly, ao longo de toda a narrativa. Um livro delicioso, cheio de histórias marcantes e de romance com pôr-do-sol e mel à mistura! Recomendo!

Classificação: 4*

Citação: Neste livro destaco uma pequena canção de um dos pescadores presentes na história:

“Quem me dera ser pescador

Vogar pelos mares

Longe de terra

E das suas amargas memórias

Lançar a minha doce linha

Com abandono e amor

Sem um teto a pesar-me

Só o céu estrelado lá em cima

Luz na minha mente

E tu nos meus braços

Woohoo!”

Anúncios

Cantinho de Leitura – Junho de 2018

E chegámos ao sexto mês do calendário gregoriano. Sabiam que o mês de Junho tem o seu nome devido à deusa romana Juno, mulher de Júpiter? É também o mês em que se celebra o Solstício de Verão (ainda agora parece que estava a tirar as bolas da árvore de natal e a tentar resistir ao bolo rei! lol).

Desejo a todos um mês cheio de alegria e sol. Cheio de sorrisos e música. Cheio de fé e flores no caminho. Cheio de caminhadas à beira-mar, de pés descalços e de coração aberto!

Boas leituras 🙂 Sejam felizes!

Opinião: A Última Noite em Tremore Beach de Mikel Santiago

 

Livro: A Última Noite em Tremore Beach

Autor: Mikel Santiago

Páginas: 334

Sinopse: Um compositor que perdeu a inspiração. Uma casa isolada numa praia irlandesa. Uma noite de tempestade que pode mudar tudo…
A Última Noite em Tremore Beach conta a história de Peter Harper, um prestigiado autor de bandas sonoras que, após um divórcio complicado, se refugia num lugar perdido da costa irlandesa a fim de recuperar a inspiração. Situada numa praia enorme e solitária, a casa de Tremore Beach anuncia-se como o local indicado. Tudo parece perfeito… até que, certa noite, rebenta uma enorme tempestade.
«Nessa noite soprou um vento estranho. A dor de cabeça, que me deixara tranquilo durante o dia, começou novamente. Tique. Taque. Tique. Taque… como um relógio. Já tinha tomado metade dos comprimidos e chegara à conclusão de que aquilo não servia para nada. Fechei os olhos e esperei que me deixasse em paz. E foi o que aconteceu, deixou-me dormir durante umas horas, mas depois regressou. Foi crescendo até se tornar numa fisgada horrível, que me fez abrir os olhos e gritar: “Ó meu Deus!”. E então estava no meu quarto. Havia uma tempestade enorme lá fora.»

Opinião:

A Última Noite em Tremore Beach foi um livro sensação em Espanha e foi escrito por Mikel Santiago. É a primeira vez que leio este escritor e fiquei surpreendida pela positiva. Temos como pano de fundo uma aldeia pequena na Irlanda, cuja casa do protagonista, Peter, se situa numa zona remota e isolada desse local. Uma casa com história, quase com uma personalidade própria (atrevo-me a dizer!).

Saliento a sua escrita cheia de suspense e mistério. A sua imaginação é notável, assim como as descrições ricas dos locais e situações que cativam o leitor. Foi, sem dúvida, uma surpresa muito agradável! É um daqueles livros que não fazemos a mínima ideia como termina – em que duvidamos até do próprio protagonista – e (quase) todas as personagens têm segredos escondidos.

Espero continuar a acompanhar esta autor que me proporcionou momentos de leitura muito agradáveis. É uma história diferente, fora do vulgar. Não segue as mesmas regras de um thriller ou de um policial, mas conjuga estas duas vertentes com um toque subtil de terror (físico e psicológico). Recomendo, sem dúvida!

Classificação: 4*

Citação: Lá fora começara a chover, podia ouvir as gotas a percutir nos vidros e no telhado da casa. Outro temporal? Então voltei a ouvir. As pancadas. Fortes, acutilantes, na porta.”

Opinião: A Casa da Rua da Esperança de Danielle Steel

 

Livro: A Casa da Rua da Esperança

Autora: Danielle Steel

Páginas: 186

Sinopse: Em dezoito anos de casamento, Liz e Jack construíram uma família, uma firma de advocacia cheia de sucesso e um lar feliz, na Rua da Esperança. Depois, num instante, tudo se desmorona. Para Jack, um recado de cinco minutos termina numa tragédia e, de repente, Liz está sozinha e a braços com uma perda insuportável. 
Como poderá continuar sem o seu marido, o seu parceiro, o seu melhor amigo? Como pode fazer o luto da sua perda quando tem de consolar cinco crianças devastadas, incluindo uma com necessidades especiais? Impulsionada pelo amor dos filhos, Liz encontra a força necessária para regressar ao trabalho. Um a um, os feriados vêm e vão, até que um grave acidente lhe envia o filho mais velho para o hospital – e lhe traz o Dr. Bill Webster. 
A Casa da Rua da Esperança é uma história sobre o aprender a viver de novo, depois de se pensar que a vida acabou. É sobre o prazer dos pequenos milagres e a fé nos grandes. É um livro de esperança.

Opinião:

Ainda não tinha terminado o segundo capítulo deste livro e já chorava profusamente (por inconveniência no meio da Ponte Vasco da Gama, lol), cheia de emoção pelos acontecimentos que propiciam um início de romance doloroso. Aconselho a terem lenços de papel quando iniciarem este romance!

Danielle Steel é uma das escritoras norte-americanas mais conhecidas da actualidade e os seus livros estão entre os mais lidos do mundo. Os seus livros são sempre muito agradáveis e com temas muito próximos ao coração dos leitores. A sua forma requintada de escrever proporciona sempre um toque especial na narrativa. As suas histórias são intemporais e muito diversificadas.

Neste romance temos como protagonista Liz, uma mulher de personalidade muito forte, que enfrenta uma perda profunda na sua família. Acompanhamos a força dos seus sentimentos, o amor pelos seus filhos e a esperança nos seus ideais. Um romance leve, simples e emotivo. Fácil de ler e com uma mensagem de esperança de que o amanhã será sempre melhor e que os nossos sonhos podem tornar-se realidade. Ou talvez a realidade se revele ainda melhor que os nossos mais pequenos sonhos!

Classificação: 3*

Citação: “O Pai pôs um disco de cânticos de Natal e, de repente, toda a casa pareceu encher-se de espírito natalício”

Também li desta escritora (alguns que me lembro):

   

Um Amor Imenso / Jogos de Sedução / Estrela

 

Opinião: A Testemunha da Noite de Kishwar Desai

 

Livro: A Testemunha da Noite (#1 Simran Singh)

Autora: Kishwar Desai

Páginas: 207

Sinopse: Durga tem apenas catorze anos e está demasiado assustada para falar. Ela foi encontrada na mansão onde vivia, rodeada pelos cadáveres dos seus familiares. É a única sobrevivente. A única herdeira de uma imensa fortuna. É também a única suspeita. 
Simran é assistente social, bebedora inveterada e fumadora compulsiva. Esta mulher pouco convencional é a única esperança de Durga, já que apenas ela acredita que a menina pode ser mais uma das vítimas e não a assassina. 
Durga e Simran têm em comum origens privilegiadas num país onde as desigualdades sociais são profundas e a realidade é brutal. 
À medida que tenta desvendar o mistério daquela noite trágica, a destemida Simran conhece o círculo restrito em que se movimentava a família. De Harpreet, o enigmático tutor de Durga, e a sua mulher desfigurada, à bela Amrinder, a personificação perfeita da alta sociedade, os preconceitos são implacáveis e os segredos são inúmeros. E Simran sabe que não pode descansar enquanto não desvendar toda a verdade…
Um galardoado primeiro romance que penetra no âmago da Índia e da sua luta entre modernidade e tradição.

Opinião:

A Testemunha da Noite é o primeiro livro da série Simran Singh da escritora indiana Kishwar Desai. A narrativa é composta pelo relato de uma assistente social indiana, a corajosa Simran e pela história de Durga, de apenas 14 anos e principal suspeita de um crime horrendo.

Kishwar Desai apresenta-nos “um retrato dilacerante sobre a Índia e o choque entre a modernidade e tradição”. As discrepâncias sociais e culturais são abismais neste livro, principalmente o papel das mulheres e crianças numa sociedade predominantemente masculina. Certas situações apresentadas neste livro arrepiam o mais rígido dos leitores.

Tinha uma imagem da Índia um pouco romanceada, com as suas cores berrantes, músicas cheias de coreografias alegres e pessoas devotas e humildes. Contudo, este livro mostrou-me um outro lado deste país tão rico em termos culturais, mas tão carente no apoio (e respeito) às mulheres e crianças sujeitas aos mais cruéis abusos.

Classificação: 2*

Citação: “Cada um desses rostos que surgem nas janelas, acariciados pelas minhas mãos e beijados pelos meus lábios, será agora depositado, em flores brancas, em urnas de barro e atirado ao Ganges.”

Opinião: Um Amor em Segunda Mão de Isabel Wolff

 

Livro: Um Amor em Segunda Mão

Autora: Isabel Wolff

Páginas: 352

Sinopse: Um Amor em Segunda Mão conta a história de Phoebe Swift, uma especialista em moda que decide deixar o seu emprego na leiloeira Sotheby’s para abrir o seu próprio negócio – uma pequena loja de roupa vintage no Sul de Londres, chamada Vintage Village. Ao mesmo tempo, Phoebe está a lidar com a recente perda da sua melhor amiga, Emma, e com a separação do seu noivo. Por isso, refugia-se no trabalho – restaurando as maravilhosas e antigas peças de roupa que compra, revendendo-as para que tragam algum glamour à vida das clientes. Mas Phoebe não consegue deixar de pensar nas «vidas passadas» destas roupas – nas histórias que contariam se pudessem falar. Um dia conhece Thérèse Bell, uma senhora de idade, de origem francesa, com uma belíssima colecção de moda para vender. Entre os fatos elegantes e vestidos de alta costura, Phoebe encontra um casaquinho de criança azul que data da época da II Guerra Mundial – uma peça que a Sr.ª Bell se recusa a vender. À medida que se vão tornando amigas, Phoebe vai escutando a triste e inspiradora história por trás do casaquinho azul – e vai descobrir uma ligação inesperada entre a vida da Sr.ª Bell e a sua, uma ligação que lhe permitirá libertar-se da dor do passado e voltar a amar.

Opinião:

Isabel Wolff é inglesa e autora de vários best-sellers internacionais muito aclamados pela crítica e pelo público. Um Amor em Segunda Mão é o primeiro livro que leio desta autora e fiquei muito surpreendida com a sua escrita talentosa e inspiradora. Não se trata de um típico romance contemporâneo (apesar de termos rasgos de romance pelo meio muito agradáveis), mas de algo muito mais profundo e intemporal.

Ao mergulhar neste livro fiquei com uma série de conhecimentos na área de roupa vintage (que nunca pensei alguma vez ter!). É curioso como uma peça de roupa pode guardar memórias mais antigas que a nossa própria vida e contar histórias de amor, amizade, tolerância e compaixão, como nunca antes pensei! Isabel Wolff fez um excelente trabalho em passar para o papel a sonoridade da textura de um vestido, o cheiro e as cores de peças de roupa maravilhosas, que podem mudar ou marcar a vida de uma pessoa.

A protagonista, Phoebe, apresenta-se com um carácter forte e independente, mas simultaneamente sensível e preocupada com os demais. Através da compra e venda de peças de roupa, Phoebe, depara-se com uma série de clientes com histórias únicas e que enriquecem as páginas deste livro. Gostei muito e Recomendo!

Classificação: 4*

Citação: “Phoebe, imploro-lhe que não gaste muito do precioso tempo que tem à sua frente a arrepender-se de coisas que fez ou que deixou de fazer, ou a lamentar o que poderia ter ou não ter acontecido.”