Opinião: Confissões de uma Suspeita de Assassínio de James Patterson e Maxine Paetro

 

Livro: Confissões de uma Suspeita de Assassínio (Confessions #1)

Autores: James Patterson e Maxine Paetro

Páginas: 288

Sinopse: Malcolm e Maud Angel eram pais altamente exigentes. Quando são assassinados, a filha mais velha, de dezasseis anos, Tandy, torna-se a principal suspeita do crime. Nesse mesmo dia, ela decide descobrir quem é o verdadeiro assassino, ainda que seja ela própria ou um dos irmãos. Tandy é uma rapariga-prodígio, incrivelmente inteligente e com Conhecimentos fora do vulgar. E agora também é herdeira de uma grande fortuna… Ela guarda muitos segredos, que regressam para a atormentar. Sente-se perdida, vítima da educação recebida dos pais. Mas não seria capaz de os matar… ou seria?
Um thriller emocionante e de leitura compulsiva, onde todos os segredos de Tandy, até os mais obscuros, são revelados. Quem sabe aquilo de que ela é, realmente, capaz?

Opinião:

O que fazemos quando o narrador da história não é muito fiável? Quando a história se desenrola e criamos uma ligação com os protagonistas que supostamente, são também, (hipoteticamente) os vilões da história? É, sem dúvida, uma base para uma leitura interessante.

O livro está dividido de uma forma diferente: temos os capítulos normais que são narrados por Tandy, uma adolescente de dezasseis anos, e capítulos intitulados de “Confissões” onde temos uma pouco mais de informação por parte desta adolescente que, aparentemente, tem surtos de memória (ou é o que inicialmente pressupomos) e que nestas confissões se vai lembrando de informação da sua infância e de momentos que parece ter esquecido.

Os pais de Tandy são encontrados mortos nos seus quartos, numa casa onde só vivem eles, três dos seus cinco filhos e uma assessora da mãe de família. Aparentemente todos têm razões para terem cometido o assassínio, mas todos eles negam categoricamente e, alguns têm álibis muito convincentes. É um registo diferente de James Patterson, mas com a sua escrita metódica e cativante. É um mistério agradável de se ler e uma leitura leve (apesar do tema), com alguns momentos de humor pelo meio. Gostei!

Classificação: 3*

Também li de James Patterson:

Alex Cross //Alex Cross: Perigo Duplo // Alex Cross: A Caça

 Eu, Alex Cross // Private // Private:Principal Suspeito

NYPD Red // NYPD Red: À Margem da Lei // A Amante

 

Opinião: Private:Principal Suspeito de James Patterson

 

Livro: Private: Principal Suspeito (Livro 2, Série Private)private principal suspeito

Autores: James Patterson e Maxine Paetro

Páginas: 384

Sinopse: A Private é a agência de investigação mais eficiente do mundo, criada para resolver de forma discreta os problemas dos ricos e poderosos. Jack Morgan, antigo fuzileiro naval e agente da CIA, é o seu dono. Os agentes da Private são os mais inteligentes e rápidos, e dispõem das tecnologias mais avançadas. Desta vez, é o próprio Jack Morgan que se torna o principal suspeito da morte da sua ex-namorada. Ao mesmo tempo que é vigiado pela polícia, a Máfia obriga-o a recuperar 30 milhões de dólares em material farmacêutico roubado, e a bela presidente de uma cadeia de hotéis pede-lhe que investigue uma série de assassínios ocorridos nas suas propriedades.
O Principal Suspeito é Jack Morgan.
Numa luta contra o tempo para provar a sua inocência, Jack tem de enfrentar os inimigos mais fortes e inteligentes de sempre. Com mais ação, intriga e surpresas do que nunca, “Private: Principal Suspeito” é James Patterson ao seu melhor nível.

Opinião:

Este é o segundo volume da série Private, criada pelo autor que teve mais livros até hoje no topo da lista de bestsellers do New York Times, James Patterson, em colaboração com Maxine Paetro e editada pela Topseller. É um livro de leitura compulsiva, impossível de largar e muito melhor que o primeiro volume.

James Patterson volta a presentear-nos com cenas de acção vertiginosas que infundem na narrativa uma qualidade digna de uma adaptação cinematográfica. As suas personagens principais são, por norma, marcantes e complexas. Todavia, este Jack Morgan extravasa estas características de forma desmedida. Talvez por isso tenha tido alguma dificuldade em criar empatia com o personagem no primeiro volume. Contudo, neste livro, este ex-fuzileiro naval apresenta uma nova faceta e uma vulnerabilidade que enriquece a narrativa e a história no seu todo.

Uma série de ficção policial com agentes muito bem construídos, com ligeiros momentos de humor, camaradagem e amizade. Uma série que recomendo a todos os leitores apreciadores de um bom policial. Adorei!

Nota: No Goodreads este é o terceiro livro desta série, contudo vou considerar a numeração fornecida pela editora portuguesa Topseller, que considera como sendo o segundo volume.

Classificação: 6*

Opinião: Private de James Patterson

Livro: Private – Agência Internacional de Investigação (Livro 1, Série Private)private agência int inv

Autores: James Patterson e Maxine Paetro

Páginas: 384

Sinopse: Jack Morgan, antigo fuzileiro naval e agente da CIA, herdou do seu pai a Private, uma reputada agência internacional de investigação e segurança e, com ela uma carga de trabalhos que pode levá-lo ao ponto de rutura. Os segredos dos homens e mulheres mais poderosos chegam diariamente a Jack e aos seus agentes, que usam técnicas forenses de ponta para resolver os seus casos.
Como se não lhe bastasse ter de apurar a verdade sobre um escândalo de jogo ilegal na liga de futebol americano e tentar resolver um inquérito criminal sobre as mortes selváticas de 18 raparigas, Jack ainda vai ter de desvendar o tenebroso assassínio da mulher do seu melhor amigo — e sua antiga amante.
Com uma narrativa que se desenvolve a um ritmo alucinante, Private: Agência Internacional de Investigação é o mais excitante e vibrante thriller de James Patterson.

Opinião:

Este é o primeiro volume da série Private criada pelo escritor norte-americano James Patterson, com a colaboração de Maxine Paetro. Este livro lembrou-me bastante as séries televisivas de investigação criminal, CSI, com conceitos de história muito semelhantes.

Normalmente, um policial costuma centrar a sua atenção apenas numa única história. Mas neste caso, temos três casos a decorrer ao mesmo tempo que exigem resolução dos vários agentes destacados pela Private. Apesar de ser um conceito arrojado, acaba por dispersar – na minha opinião – um pouco a atenção do leitor. As próprias relações pessoais do protagonista, Jack Morgan, são um pouco frias e inquietantes, devido ao carácter duro e fechado deste personagem.

É uma escrita marcadamente masculina e confesso que senti falta de alguma ternura e delicadeza na narrativa. Apesar de tudo, foi uma leitura aprazível com momentos de acção dignos de um filme.

Classificação: 3*